NOTÍCIAS
08.05.2010
Chauás Audax Sul explorou terreno na divisa do PR e SC
Uma prova dura e muito bonita. Essa foi o a definição dada pelos participantes
da segunda etapa da Chauás Audax Sul, uma união da organizadora paulista Chauás
e os atletas paranaenses da equipe Audax
Uma prova dura e muito bonita. Essa foi o a definição dada pelos participantes
da segunda etapa da Chauás Audax Sul, uma união da organizadora paulista Chauás
e os atletas paranaenses da equipe Audax. Apesar de ser a segunda vez que
trabalham juntos, foi a primeira em que toda a responsabilidade de montagem da
prova ficou com o pessoal da Audax.

O sol apareceu para aquecer um pouco os corpos (e os ânimos), mas nos pontos
mais altos o vento gelado voltava a lembrar os competidores que o final de
semana seria de frio intenso. Com seus equipamentos e mochilas deixados nas
bicicletas, muitos competidores tiraram suas blusas e correram com elas nas mãos
até a primeira transição.
O ponto alto da corrida foi o Pico do Araçatuba (PC6), na divisa dos Estados do
Paraná e Santa Catarina. De lá era possível ver o litoral paranaense e cidades
como Guaratuba e Paranaguá. Para chegar lá os participantes enfrentaram um duro
trekking com muita subida e navegação e foi o trecho em que algumas equipes
acabaram perdendo bastante tempo para encontrar o caminho correto.
O capim rasteiro nas montanhas forma um tapete gigante e a inexistência de
grandes referências exigiu muito dos navegadores, que precisavam confiar no
azimute para encontrar as passagens certas.
A dupla masculina Almark tomou a dianteira do pelotão desde o começo da prova,
abrindo ainda mais distância na seção de mountain biking. Era quase 16h00 quando
a dupla chegou no Araçatuba. Cerca de uma hora depois chegou o primeiro
quarteto, Guartelá. O restante do grupo pode apreciar o pôr-do-sol enquanto
seguia em direção à estrada para pegar novamente as bicicletas.
Sem sol, a temperatura caiu rapidamente e os competidores tinham ainda muita
prova pela frente, inclusive duas temidas seções de canoagem, que foi enfrentada
somente pelas primeiras colocadas. As outras equipes foram cortadas e seguiram
pedalando direto para a chegada.
Os vencedores terminaram a prova em quase 24 horas. "Isso já resume um pouco a
prova. Foi pesada... em nivel máximo. O pedal estava muito pesado, muito
exigente, muito travado, não rendia. A parte do trekking foi uma beleza
fotográfica impecável. Um lugar muito bonito mesmo, parecia até que estávamos em
outro país. Umas montanhas maravilhosas e alguns campos de altitude de onde
conseguíamos ver a Baía da Babitonga, que se encontra a quase 100 quilômetros de
distância. Os organizadores estão de parabéns, conseguiram fazer uma prova num
nível muito legal mesmo

Expedição
Quartetos

1 - Guartelá
2 - Papaventuras (corte pc11)

Duplas

1 - Allmak
2 - Rei do Forte
3 - Brazukas (corte PC11)
3 - Sussuarana (corte PC11)
3 - Santa Rita (corte PC11)

Light
Masculina
1- FH BPM
2- Clube de aventura - SNAKE
3- Gapianos

Mistas
1 - Chauá
2 - FIT
3 - Tramontrip
Confira todas as fotos
Fonte:Papaventuras
Newsletter
Receba em seu e-mail
as novidades da
Equipe Papaventuras
Nome
E-mail